domingo, 10 de julho de 2011

Improvável

Semanalmente, lá estava ele, com ânimo renovado, fazendo a sua fezinha. Mesmo que, matematicamente, fosse pouco provável, apostava o mínimo, mas apostava, acreditando que um dia ganharia a mega-sena acumulada e a vida mudaria. Poucos recursos, apostas pequenas, mas uma certeza enorme. Dias, semanas e anos se passaram, e ele permaneceu fiel às suas convicções. Até que percebeu que a moça da lotérica era um verdadeiro “prêmio”. Então, deixou de apostar pouco, investiu pesado e tirou a sorte grande... e a vida mudou.

2 comentários:

Dolce Vita disse...

Grande mini!

Que o novo investimento (afetivo) traga sorte e alegria.

Beijos

Dolce

Jéssica V. Amâncio disse...

Adoro o que podemos extrair do cotidiano e transformar em poesia, você fez isso belamente.

Postar um comentário